Quinta, 15 de novembro de 2018
(94) 99153-9530
Geral

05/09/2018 ás 16h44

Moraes Filho

Xinguara / PA

Assassino de Dorothy é condenado a 97 anos por outro crime
Luiz Lopes e Raimundo Monteiro também foram condenados em júri popular
Assassino de Dorothy é condenado a 97 anos por outro crime
Glória Lima/TJPA

O pistoleiro Rayfran das Neves Sales, que matou a irmã Dorothy Stang, Luiz Carlos do Carmo Lopes e Raimundo Ferreira Monteiro, foram condenados a 97 anos, 33 anos e 86 anos de reclusão, respectivamente, pelas mortes de Leandro Kestring de Vargas, Evalso Fagundes da Silva, e Joseane Noronha Santos. Os três enfrentaram júri popular ontem (4) e a sentença foi divulgada na madrugada desta quarta-feira (5) no Fórum Criminal de Belém.


O júri foi presidido pelo juiz Cláudio Henrique Rendeiro, titular do 4ª tribunal do júri de Belém. Foram mais de 15 horas de julgamento. Segundo informações do Tribunal de Justiça do Pará, Rayfran foi condenado a pena de 97 anos e oito meses de reclusão. Já Luis Carlos deve cumprir pena de 33 anos e oito meses de reclusão, e Raimundo Monteiro vai responder por 86 anos de reclusão.


O caso


Rayfran das Neves Sales, o pistoleiro que matou irmã Dorothy Stang, estava sendo acusado de outro crime: o assassinato do casal Leandro Kestring de Vargas e Joseane Noronha, casal que desapareceu após viajar de carro do município de Rurópolis para Belém. Os dois foram encontrados mortos no início do mês de setembro em 2014. Leandro tinha envolvimento com o tráfico internacional de drogas. O pistoleiro contratou o rapaz para trazer 50 quilos de cocaína ao Pará, mas durante a entrega do entorpecente, Rayfran decidiu que não iria pagar pelo serviço e executou o casal.


Para a surpresa dos policiais, durante a apuração do caso, um segundo homicídio foi ligado ao caso do casal de Rurópolis.  Evalso Fagundes da Silva foi assassinado com um tiro na cabeça e a esposa dele, Luane de Cássia Castro e Silva foi atingida no rosto, mas sobreviveu ao disparo. O crime ocorreu no quilômetro 24 da Alça Viária, no dia 5 de setembro de 2014, o mesmo dia que Leandro e Joseane desapareceram. Inicialmente, as investigações corriam de forma independente, até que a Divisão de Homicídios descobriu que Evalso era amigo de Leandro. Foi a partir daí que foi descoberto que as mortes tinham ligação com o tráfico internacional de drogas.


Além de Rayfran a Polícia Civil prendeu Raimundo Fernando Ferreira Monteiro e Luis Carlos do Carmo. Todos envolvidos nos assassinatos. Rayfran das Neves Sales segue preso pela morte de Dorothy Stang.

FONTE: ORM

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados