Segunda, 22 de outubro de 2018
(94) 99153-9530
Geral

16/09/2018 ás 11h12 - atualizada em 16/09/2018 ás 14h45

Moraes Filho

Xinguara / PA

Pastores citam candidatos da igreja e mostram inclinação política nos cultos
Pr. Samuel Ferreira da AD Brás não deixou de lado temas caros à igreja, e pregou contra candidatos que defendem o aborto, o casamento homossexual e a liberação das drogas.
Pastores citam candidatos da igreja e mostram inclinação política nos cultos

"Eu vou ter que falar aqui um negócio, porque não dá para enfiar a cabeça embaixo da terra, que nem se fosse uma avestruz”, diz o bispo Renato Cardoso, durante um culto no Templo de Salomão, o maior da Igreja Universal do Reino de Deus, localizado no Brás, na zona leste de São Paulo. Antes de começar, no entanto, o pastor ordena a retirada de todos os menores de 16 anos do salão.


"Primeiro, vou mostrar um vídeo", diz o genro de Edir Macedo aos cerca de mil fiéis que acompanham o culto em uma noite fria, já sem a presença das crianças. Nos telões, imagens aparentemente gravadas com um celular, em um pátio de uma escola, mostram diversos adolescentes se beijando na boca, em uma espécie de "beijaço". Meninos beijam meninos e meninas beijam meninas. Há beijos coletivos também.


"Vocês viram? Isso já está acontecendo nas nossas escolas. Ainda não é lei, mas estão tentando transformar a ideologia de gênero em lei, a menos que você impeça. A responsabilidade está na ponta dos seus dedos", afirma Cardoso, de maneira grave, após o curto vídeo, ao introduzir para os fiéis o assunto eleições deste ano.


Do outro lado da Avenida Celso Garcia, em frente ao Templo de Salomão, está a sede da Assembleia de Deus -- Ministério de Madureira. Lá dentro, em uma noite chuvosa, o bispo Samuel Ferreira, líder da congregação evangélica, abençoava em uma ciranda em cima do palco os pastores Cezinha e Alex de Madureira (em referência ao ministério), respectivamente candidatos a deputado federal e deputado estadual nestas eleições, ambos pelo PSD.


Entre o fim de agosto e o início deste mês, a reportagem do UOL visitou "cultos-comícios" em São Paulo, onde a pregação religiosa confunde-se por vezes com o discurso da política e das eleições nas pregações de pastores e bispos.


Faltando menos de um mês para o dia dos fiéis-eleitores irem às urnas escolher seus candidatos, igrejas evangélicas e a Igreja Católica em todo o país aplicam estratégias para falar sobre as eleições com suas congregações, tentando não entrar em conflito com a Justiça Eleitoral – que tem considerado propaganda eleitoral irregular, e até crime eleitoral, pedir votos dentro de igrejas (leia mais abaixo).


         


                     Lalo Almeida / FolhapressLalo Almeida / Folhapress


Metade do culto dedicado às eleições


Em uma noite de terça-feira, das quase três horas de culto religioso na sede da Assembleia de Deus -- Ministério de Madureira, no Brás, zona leste de São Paulo --, uma hora e meia foi dedicada às eleições. Desde o momento em que subiu ao palco e pegou o microfone para falar, a partir da metade final do encontro religioso, o bispo Samuel Ferreira não tocou em outro assunto que não fosse o voto no mês de outubro.


"A lei me impede de dizer claramente o que eu tenho de dizer, mas não podem nos calar, vamos orar", afirmou o bispo. "Ando muito preocupado, não durmo direito de noite. Não podemos virar a cabeça para o outro lado e fingir que não estamos vendo nada. Não podemos ficar quietos."


“O que está acontecendo hoje no Brasil é muito grave. Temos um momento muito importante agora, que são as eleições. Tem muita coisa em jogo."


Bispo Samuel Ferreira, da Assembleia de Deus


Antes de apresentar os dois candidatos oficiais da igreja -- o candidato a deputado federal Cezar de Madureira (PSD) e o candidato a deputado estadual Alex de Madureira (PSD) --, pedir votos para os dois e rezar com eles no meio de uma ciranda de pastores, no palco do culto, Ferreira dedicou longo tempo de seu sermão a reflexões sobre as eleições presidenciais e pautas caras à Assembleia de Deus.


Sem citar nomes, torpedeou candidatos ao Palácio do Planalto. "Tem candidato por aí que se diz evangélico, mas disse que vai propor plebiscito para decidir casamento gay... plebiscito para decidir aborto", disse Ferreira, balançando a cabeça em desaprovação. "Quer dizer, está fazendo como Pilatos, que lavou as mãos. E quando Pilatos lavou as mãos, deu no que deu", acrescentou, em alusão a comentários feitos pela presidenciável Marina Silva (Rede).


"Tem outro candidato por aí que está prometendo liberar arma para todo mundo. Não sei, não sei... Lá, nos Estados Unidos, um maluco subiu em um quarto de hotel em Las Vegas com mais de 40 armas em uma sacola e abriu fogo lá de cima contra as pessoas que estavam lá embaixo, vendo um show. É isso que queremos por aqui?", questionou o bispo em alusão a propostas do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).


"O líder nas pesquisas para o Senado simplesmente é contra tudo o que acreditamos", disse Ferreira em outro momento, em alusão ao petista Eduardo Suplicy. "Outro candidato não foi na Marcha para Jesus a uns anos atrás, mas foi na Parada Gay, quer dizer, escolheu lado, né", disparou o bispo, em uma truncada referência ao presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB), que, quando era governador de São Paulo, não participou do evento evangélico, mas foi à parada, em 2016.


A isso seguiu-se uma longa conversa sobre a injusta prisão do apóstolo Pedro, de acordo com a história contada na Bíblia. Confusos, alguns fiéis responderam com "Viva Bolsonaro!", outros (menos numerosos) com "Lula livre!"


Em 2014, a ex-presidente Dilma Rousseff participou de um culto no palco junto com o bispo Ferreira, de quem recebeu o apoio naquelas eleições.


Ferreira não deixou de lado temas caros à igreja, e pregou contra candidatos que defendem o aborto, o casamento homossexual e a liberação das drogas. Disse também que a igreja não pode perder os representantes que já tem, já que estariam para conseguir a tão sonhada concessão de rádio e TV do governo federal e, sem os políticos, o objetivo não seria atingido.


Cezinha de Madureira é deputado estadual desde 2014, quando se elegeu para seu primeiro mandato pelo DEM. Já Alex de Madureira é um dos braços-direitos de Samuel Ferreira e tenta seu primeiro mandato como deputado estadual.


Na saída do "culto-comício", os fiéis ganhavam na porta do templo santinhos eleitorais que traziam a imagem do líder da igreja junto dos dois candidatos, com a frase "bispo Samuel Ferreira vota" embaixo, acompanhada dos nomes e números dos pastores. No verso, o santinho ainda trazia uma "cola" para a urna eletrônica, com recomendação de voto em Mara Gabrilli e Tripoli para senadores, João Dória para governador e Geraldo Alckmin para presidente, todos do PSDB, partido com o qual o PSD, dos pastores, se coligou.


Procurados pela reportagem, por meio de suas assessorias de imprensa, os candidatos Cezinha e Alex de Madureira e a Assembleia de Deus não responderam. Em artigo escrito para o site "Consultor Jurídico" em 2016, Cezinha defendeu a campanha eleitoral dentro de igrejas.


LEIA MATERIAL COMPLETO >>>


Culto-comício | UOL Eleições



https://www.uol/eleicoes/.../templos-e-igrejas-na-campanha-eleitoral-de-2018.htm




FONTE: UOL

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados