Terça, 20 de novembro de 2018
(94) 99153-9530
Polícia

31/10/2018 ás 21h12

Moraes Filho

Xinguara / PA

Ministro do Meio Ambiente se posiciona contra fusão da pasta à Agricultura
Fragilização seria temerária, diz Edson Duarte Prevê perdas na interlocução internacional
Ministro do Meio Ambiente se posiciona contra fusão da pasta à Agricultura
O ministro Edson Duarte disse que o Ministério do Meio Ambiente precisa de estrutura própria e fortalecida. FOTO:Gilberto Soares/MMA

O ministro do Meio Ambiente Edson Duarte divulgou nota (íntegra) nesta 4ª feira (31.out.2018) manifestando preocupação com a fusão da pasta ao Ministério da Agricultura, determinada pelo governo eleito de Jair Bolsonaro. Segundo o ministro, o novo ministério terá dificuldades operacionais que podem “resultar em danos para as duas agendas”.


Segundo Edson Duarte, os 2 órgãos são de imensa relevância nacional e internacional e têm agendas próprias, que se sobrepõem apenas em uma pequena fração de suas competências.


“Nossa carteira de ações abrange temas tão diferentes como combate ao desmatamento e aos incêndios florestais, energias renováveis, substâncias perigosas, licenciamento de setores que não têm implicação com a atividade agropecuária, como o petrolífero, homologação de modelos de veículos automotores e poluição do ar”, afirmou o ministro, ao defender que é preciso que cada um tenha estrutura própria e fortalecida.


“A economia nacional sofreria, especialmente o agronegócio, diante de uma possível retaliação comercial por parte dos países importadores”, completou.


Edson Duarte também afirmou que pode haver perdas com relação a “interlocução internacional”. “A sobrecarga do ministro com tantas e tão variadas agendas ameaçaria o protagonismo da representação brasileira nos fóruns decisórios globais”, afirmou.


Atualmente, Agricultura e Meio Ambiente são pastas separadas. A fusão proposta por Bolsonaro tem 2 objetivos: reduzir ministérios de 29 para cerca de 15 e minimizar as discordâncias entre os 2 setores.


O ministro disse ainda que se surpreendeu com a decisão de Bolsonaro, uma vez que o Ministério do Meio Ambiente preparou, de forma independente, “1 detalhado e volumoso trabalho para dar plena ciência de tudo o que tem sido feito na pasta” para entregar à equipe de transição, com a qual pretende “estabelecer 1 diálogo transparente e qualificado”.


“Temos uma grande responsabilidade com o futuro da humanidade. Fragilizar a autoridade representada pelo Ministério do Meio Ambiente, no momento em que a preocupação com a crise climática se intensifica, seria temerário. O mundo, mais do que nunca, espera que o Brasil mantenha sua liderança ambiental”, afirmou.

FONTE: SABRINA FREIRE/PODER 360

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados