Quinta, 27 de junho de 2019
(94) 99153-9530
Geral

08/01/2019 ás 15h24 - atualizada em 08/01/2019 ás 15h34

Moraes Filho

Xinguara / PA

Bolsonaro retalia Globo com projeto de Alexandre Frota sobre publicidade
A guerra entre Rede Globo e Jair Bolsonaro começa quente nos bastidores do governo
Bolsonaro retalia Globo com projeto de Alexandre Frota sobre publicidade

A guerra entre Rede Globo e Jair Bolsonaro começa quente nos bastidores do governo; em resposta ao recado da Globo via seus dois principais apresentadores, Fausto Silva e Luciano Huck, o presidente eleito irá colocar o dedo na maior ferida publicitária que protege a emissora desde os anos 60, o chamado 'bônus de volume'; Bolsonaro quer proibir o 'instrumento' que levou o sistema publicitário brasileiro a uma espécie de 'cartelização', com primazia da Globo sobre todas as outras emissoras; o projeto já está escrito, com ajuda dos concorrentes da Globo, e será apresentado ao Congresso pelo ex-ator e agora deputado federal Alexandre Frota (PSL-SP)


247 - A guerra entre Rede Globo e Jair Bolsonaro começa quente nos bastidores do governo. Em resposta ao recado agressivo da Globo via seus dois principais apresentadores, Fausto Silva e Luciano Huck, o presidente eleito irá colocar o dedo na maior ferida publicitária que protege a emissora desde os anos 60, o chamado 'bônus de volume'. Bolsonaro quer proibir o 'instrumento' que levou o sistema publicitário brasileiro a uma espécie de 'cartelização', com primazia da Globo sobre todas as outras emissoras. O projeto já está escrito e será apresentado ao Congresso pelo ex-ator e agora deputado federal Alexandre Frota.


A reportagem do jornal Folha de S. Paulo explica a tensão no governo (e suas respectiva ação): "o governo Jair Bolsonaro (PSL) tem projeto de lei pronto visando proibir um instrumento de negociação comercial que, segundo críticos, garante o domínio da Rede Globo no mercado publicitário de TV aberta no Brasil. O texto foi escrito sob inspiração de integrantes de agências de publicidade e executivos de concorrentes da Globo e será apresentado pelo deputado eleito Alexandre Frota (PSL-SP) quando o novo Congresso assumir em fevereiro.


Bolsonaro falou: "vamos buscar junto ao Parlamento brasileiro a questão do BV. Isso tem de deixar de existir. Eu aprendi há pouco o que é isso e fiquei surpreso e até mesmo assustado".


A matéria informa sobre o 'instrumento' de cartel: "o BV em questão, alvo do novo projeto, é a sigla de Bonificação por Volume. O mecanismo foi introduzido pela Globo nos anos 1960 para, segundo a emissora, estimular o mercado publicitário e chamado de 'câncer' por um de seus maiores adversários, o vice-presidente e sócio da RedeTV! Marcelo de Carvalho. O funcionamento do BV é simples. Um anunciante contrata uma agência de publicidade para promover um produto. Os veículos de comunicação pagam uma comissão para as agências, o BV, para que elas os escolham como destinatários da verba. Para os críticos, isso cria um ciclo vicioso em que o meio mais rico do Brasil, a TV aberta, mantém seu domínio sobre o bolo publicitário alimentado as agências com BVs. Grandes contratos costumam ter um BV variando de 10% a 20% de seu valor."


Segundo o jornal, "o mecanismo levou agências grandes a reduzir ou mesmo deixar de cobrar as comissões regulares --que podem chegar a 20%, mas em média são de 5% por negócio."



Vou apresentar ao presidente e me reunirei com SBT, RedeTV!, TV Record e talvez a Band", disse Frota, reunindo toda a concorrência para um ataque frontal à emissor


CONFIRMAÇÃO: "O projeto foi entregue a mim e a uma equipe de profissionais com autorização do Jair. Vou apresentar ao presidente e me reunirei com SBT, RedeTV!, TV Record e talvez a Band", declarou Frota ao jornal Folha de S.Paulo.


Com isso, Frota arma um cerco dos grupos de comunicação concorrentes contra a Rede Globo. A movimentação do governo pode ser uma retaliação à postura da emissora que, em diversas ocasiões, expôs criticas à gestão do capitão reformado.


Conhecida por exigir que seu quadro de funcionários não exponha comentários políticos, a emissora, no entanto, mudou sem tom após a vitória de Bolsonaro. Neste domingo, Faustão, um dos principais nomes da Globo, deu a entender que o presidente da República era um "imbecil". Na mesma linha, o apresentador  Luciano Huck postou uma foto nas redes sociais com sua esposa, a apresentadora Angélica, criticando a fala da ministra Damares Alves sobre o uso das cores azul e rosa.


No Projac, onde localiza-se os estúdios Globo, a grande maioria dos aristas também são opositores ao governo, e deixam isso claro em suas redes sociais. Muitos, inclusive, saíram às ruas para dizer "ele não" durante o período eleitoral.


A oposição ao governo também chegou ao carro chefe do jornalismo da emissora, a Globo News. Nomes como Merval Pereira e Leilane Neubarth já fizeram duras criticas abertas ao capitão reformado. O próprio Bolsonaro chegou a bater boca via Twitter com Neubarth, dizendo que a jornalista "não apura de forma correta os fatos".

FONTE: BRASIL 247

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados