Segunda, 21 de janeiro de 2019
(94) 99153-9530
Política

11/01/2019 ás 10h21

Moraes Filho

Xinguara / PA

PGR pede ao Supremo para investigar deputado do Pará por suposto desvio de verba pública
A PGR diz ter recebido uma representação de um cidadão segundo a qual o deputado informou à Câmara despesas com o aluguel de um escritório em Santarém (PA) em valor superfaturado
PGR pede ao Supremo para investigar deputado do Pará por suposto desvio de verba pública
Foto: Câmara dos Deputados/Divulgação

A Procuradoria Geral da República (PGR) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de um inquérito para investigar o deputado federal Francisco Chapadinha (Pode-PA) por suposto desvio de verba pública da Câmara.


O pedido da procuradora-geral, Raquel Dodge, foi apresentado na terça-feira (8), e o conteúdo, tornado público nesta quinta (10).


A TV Globo tentava localizar a assessoria e a defesa do parlamentar até a última atualização desta reportagem.


Como o deputado não se reelegeu, e vai perder o foro privilegiado, o caso será enviado à 1ª instância da Justiça a partir de fevereiro.


O relator do caso será o ministro Luiz Fux, mas, como o Poder Judiciário está de recesso, o pedido foi remetido ao ministro que está de plantão, Dias Toffoli.


No pedido ao STF, a PGR diz ter recebido uma representação de um cidadão segundo a qual o deputado informou à Câmara despesas com o aluguel de um escritório em Santarém (PA) em valor superfaturado. O escritório, segundo a representação, seria do genro do parlamentar.


"Os fatos narrados na representação, aliados aos elementos de prova ali acostados, traduzem suspeita razoável quanto à prática do crime de peculato ( art. 312, caput, Código Penal), por parte do Deputado Federal Francisco Alves de Aguiar", afirmou Raquel Dodge.


A procuradora afirma que o preço do aluguel mencionado, R$ 4,2 mil, é muito superior aos valores praticados no mercado da cidade.


"Embora a suposaa fraude ainda não esteja devidamente demonstrada, os elementos acima são mais que suficientes a indicar a necessidade de análise mais detida dos fatos", afirmou.


Raquel Dodge pediu à Câmara todos os recibos de aluguel apresentados pelo deputado, que a Polícia Federal apure se existe contrato de aluguel, se o local é um escritório de representação e que vá coletar provas no local, com entrevistas de vizinhos.

FONTE: Fonte: G1/Pa

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados