domingo, 26 de maio de 2019
(94) 99153-9530
Geral

14/03/2019 ás 11h27

Moraes Filho

Xinguara / PA

STF mantém “punição” às desembargadoras paraenses envolvidas em desvio bilionário do Banco do Brasil
Marneide Merabet e Vera Araújo foram aposentadas compulsoriamente pelo CNJ
STF mantém “punição” às desembargadoras paraenses envolvidas em desvio bilionário do Banco do Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que puniu com aposentadoria compulsória a duas magistradas paraenses, envolvidas em um golpe bilionário contra o Banco do Brasil.


As desembargadoras do Tribunal de Justiça do Pará (TJ-PA), Vera Araújo de Souza e Marneide Trindade Pereira Merabet, recorreram da decisão do CNJ, que as afastou da função com a punição prevista na Lei da Magistratura Nacional (Loman), que “pune” com aposentadoria, mas com proventos proporcionais ao tempo de serviço.


Na sessão da segunda turma do STF, realizada nesta terça-feira, 12, os ministros negaram os mandados de segurança Nºs 35521 e 35540, impetrados contra a decisão do conselho.


Vera Araújo de Souza era titular da 5ª Vara Cível da comarca de Belém, quando concedeu liminar em ação de usucapião, sem que a parte contrária pudesse ser ouvida, para determinar que o Banco do Brasil se abstivesse de movimentar mais de R$ 2,3 bilhões, que teriam sido depositados há mais de três anos na conta de um dos membros do grupo criminoso.


A magistrada foi advertida pela direção do BB sobre o possível esquema fraudulento, que baseava o pedido de usucapião. Porém, Vera Araújo manteve a liminar, sem sequer analisar os documentos falsos juntados aos autos pela instituição financeira.


Já no segundo grau da justiça paraense, a desembargadora Marneide Trindade Pereira Marabet, manteve a decisão da juíza de primeiro grau, ao apreciar o recurso do banco, e também mesmo ciente de que tratava de documentos falsos, não revogou a sentença.


Em procedimento administrativo disciplinar (PAD), o CNJ concluiu pela aplicação da penalidade de aposentadoria compulsória, às duas desembargadoras, pela negligência na condução do procedimento judicial.


As magistradas alegam, que a decisão do CNJ não respeitou o devido processo legal, em razão da impossibilidade de depoimento de uma testemunha, já morta. Elas asseguram que o conselho exorbitou de suas atribuições ao julgar um PAD por fatos já investigados no âmbito do Corregedoria do TJ-PA, sem que tenha havido pedido de revisão disciplinar. Juíza e desembargadora afirmam que a decisão fere os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade ao aplicar a pena máxima, diante da baixa gravidade das condutas a elas atribuídas.


Porém, ministro Gilmar Mendes, afastou todas as alegações das magistradas. “As conclusões a que chegou o CNJ amparam-se em fartos elementos de prova, razão pela qual seria temerário supor que a oitiva de uma testemunha traria para o PAD um desfecho diametralmente oposto”, proferiu Mendes na sentença.

FONTE: Fonte: Roma News

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados