Terça, 21 de maio de 2019
(94) 99153-9530
Brasil

12/05/2019 ás 15h39 - atualizada em 12/05/2019 ás 15h41

Moraes Filho

Xinguara / PA

ARMAS: As farsas da legítima defesa e do que se votou no referendo de 2005
Nessa fantasia, temos, de um lado, o cidadão de bem e, de outro, o bandido

Os farsantes mudaram o discurso. Antigamente, e o tempo é impreciso porque sempre foi uma conversa que circulou por aí, alegava-se que o porte de armas era necessário como política de segurança pública. E números ou de fontes duvidosas ou extraídos de lugar nenhum eram esgrimidos para evidenciar que a liberação das armas implicava uma redução dos índices de violência. Não dá mais para sustentar o insustentável. Os dados disponíveis apontam o contrário.


                        


 Modelo de pistola 9mm: está nos itens do vale-tudo proposto por Bolsonaro


A FARSA DA LEGÍTIMA DEFESA
Então o discurso mudou. Agora, alega-se o "direito à autodefesa". Trata-se o que é, obviamente, uma política de segurança pública — OU DE INSEGURANÇA — como se fosse apenas uma questão individual, restrita à luta do bem contra o mal.


Nessa fantasia, temos, de um lado, o cidadão de bem e, de outro, o bandido. É o único confronto que se imagina. E, claro!, o lado bom vence. Reagir, como recomendam todas as políticas, à abordagem de criminosos é quase sempre a pior saída. Mas isso não diz tudo.


Essa leitura estúpida ignora que aumentará brutalmente a chance de confronto entre o "cidadão de bem" e um outro "cidadão de bem". Ambos armados. O motivo banal está na raiz de boa parte dos eventos com armas que terminam em tragédia,


A FARSA SOBRE O REFERENDO
Uma das alegações para a generalização do porte de armas pretendida por Bolsonaro é dar consequência àquela que teria sido a vontade dos brasileiros no referendo de 2005. O que se votou ali era a proibição ou não da venda legal de armas de fogo. E venceu o "não". E proibida ela não foi. Tanto é assim que o Estatuto do Desarmamento sempre permitiu a posse, ainda que impondo restrições bastante severas para a aquisição de armas — restrições estas que já foram relaxadas.


O referendo não indagou se as pessoas deveriam andar armadas nas ruas.


Quem insiste nessa questão está, por ignorância ou má-fé, confundindo a POSSE com o PORTE. Como lembro sempre, a Europa desenvolvida permite a posse de armas, com mais exigências ou menos a depender do país, mas proíbe o porte. Seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é semelhante ao dos EUA, com uma das legislações mais laxistas do mundo. Nos EUA, há cinco homicídios por 100 mil habitantes; nos países europeus, 1 ou menos de 1.


Onde é maior a chance de morrer à bala? Na Alemanha ou nos EUA? E que ninguém venha evocar a tradição mais pacifista ou menos de um povo ou de outro, não é mesmo?


 

FONTE: REINALDO AZEVEDO

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
REINALDO AZEVEDO

REINALDO AZEVEDO

Blog/coluna EM BUSCA DO CONHECIMENTO
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados