Segunda, 23 de setembro de 2019
(94) 99153-9530
Geral

20/05/2019 ás 09h48

Moraes Filho

Xinguara / PA

MPF pede à Justiça que Celpa seja proibida de cobrar pela dívidas de antigos clientes para troca de titularidade
O MPF também pediu que a Justiça Federal obrigue a Celpa e a Aneel a pagarem R$ 100 mil em danos morais coletivos provocados práticas ilegais.
MPF pede à Justiça que Celpa seja proibida de cobrar pela dívidas de antigos clientes para troca de titularidade

O Ministério Público Federal (MPF) pediu a Justiça que a Celpa, concessionária que distribui energia no Pará, seja proibida de exigir pagamento de dívidas de outro cliente para garantir serviço de troca de titularidade. O pedido é um parecer favorável a uma ação da Defensoria Pública da União (DPU), de acordo com informações divulgadas nesta segunda-feira (13). Em nota, a Celpa informou que já demonstrou por meio de documentos, nos autos do processo, que os procedimentos para troca de titularidade obedecem a Resolução 414 da Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL, que regulamenta o setor elétrico brasileiro.


Segundo a ação, para prestar esse serviço a Celpa vem exigindo que os novos clientes paguem as dívidas dos ex-clientes e que apresentem documentos ou que adotem procedimentos não previstos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), de acordo com o DPU.


O MPF também pediu que a Justiça Federal obrigue a Celpa e a Aneel a pagarem R$ 100 mil em danos morais coletivos provocados práticas ilegais.


Sobre o pedido de dano moral coletivo, a DPU alegou que estes são devidos “em virtude da grave ofensa ao direito humano de possuir energia, zombar da justiça e da tolerabilidade ao obrigar o consumidor a assunção de dívidas perante terceiros”.


De acordo com o MPF, a Aneel disse no processo que a agência não pode ser obrigada a pagar os danos morais porque não é responsável por atos praticados pelas concessionárias.


Ação de 2018


A ação foi ajuizada pela DPU em julho de 2018, contra a Celpa e a Aneel. Três meses depois, em outubro, decisão liminar assinada pela juíza federal Hind Kayath proibiu a continuidade das cobranças ilegais.


A Celpa e a Aneel apresentaram contestações. Após a apresentação do parecer do MPF, o processo segue para nova análise da Justiça.

FONTE: Por G1 PA — Belém

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados