Terça, 18 de junho de 2019
(94) 99153-9530
Cidades

12/06/2019 ás 08h24 - atualizada em 12/06/2019 ás 08h34

Moraes Filho

Xinguara / PA

Nota de pesar das Centrais Sindicais, no Pará, pelo assassinato do sindicalista Carlos Cabral
Carlos Cabral, foi executado com quatro tiros na tarde desta terça-feira (11), na cidade de Rio Maria.
Nota de pesar das Centrais Sindicais, no Pará, pelo assassinato do sindicalista Carlos Cabral
É com sentimento de pesar que as Centrais Sindicais do Pará lamentam o falecimento do sindicalista, Carlos Cabral, aos 58 anos

As Centrais Sindicais, no Pará (CTB, CGTB, NCST, FS, CSP Conlutas, CUT, UGT, CSB e Intersindical), manifestam sentimentos de pesar pelo assassinato do sindicalista Carlos Cabral Pereira, presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Rio Maria  STTR, no sul do Pará, e diretor da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil - CTB Pará, assassinado com vários tiros na tarde desta terça-feira (11/06/2019), em Rio Maria/PA.


Em Rio Maria, "a terra da morte anunciada", teve em dezembro de 1985 o assassinato do sindicalista e presidente do STTR, João Canuto, e seu sucessor Expedito Ribeiro de Souza, foi assinado em fevereiro de 1991, Cabral genro de João Canuto, a época (1991), e sucessor de Expedito, foi ferido num atentado a bala a mando do latifúndio em 4 de março de 1991, ou seja, um mês depois do assassinato de Expedito Ribeiro. E cinco anos após a morte de João Canuto, em 22 de abril de 1990 três de seus filhos, Orlando, José e Paulo Canuto, foram sequestrados e dois deles José e Paulo foram assassinados, somente Orlando Canuto escapa gravemente ferido.


No período histórico na luta pela posse da terra várias outras lideranças sindicais, religiosas e políticas, os "marcados para morrer", foram eliminados fisicamente pela bala do latifúndio improdutivo paraense, e hoje, no transcurso dos 32 anos do assassinato do advogado dos trabalhadores rurais, o deputado estadual Paulo Fonteles (PCdoB/PA), é assassinato Cabral em plena luz do dia em Rio Maria, sul do Pará.


As Centrais Sindicais exigem a imediata e exemplar apuração e elucidação do assassinato de Cabral, a retomada da paz no campo, a política e a cultura da paz contra o discurso e a cultura do ódio e da violência pregada pelo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.


Viva a livre organização dos trabalhadores e trabalhadoras rurais.


Carlos Cabral Pereira, presente!


Belém-Pará, 11 de junho de 2019.


Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil - CTB Pará


Central Única dos Trabalhadores - CUT Pará


Central Geral dos Trabalhadores do Brasil - CGTB Pará


Nova Central Sindical dos Trabalhadores - NCST Pará


Força Sindical - Pará


CSP Conlutas - Pará


Central dos Sindicatos Brasileiros - CSB Pará


INTERSINDICAL - Pará


União Geral dos Trabalhadores - UGT Pará


Fonte: Centrais Sindicais


MÍDIA



 

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados