Quinta, 17 de outubro de 2019
(94) 99153-9530
Política

09/10/2019 ás 08h52 - atualizada em 09/10/2019 ás 09h11

Moraes Filho

Xinguara / PA

Folha confessa que ajudou nos crimes da Lava Jato
O jornalão paulista já apoiou outros eventos que violaram a Constituição e o Estado Democrático de Direito.
Folha confessa que ajudou nos crimes da Lava Jato

A ombudman da Folha, Flavia Lima, escreve neste domingo (6) que o jornalão confessa que ajudou nos crimes da força-tarefa Lava Jato


A repórter relata que a Folha faz autocrítica –uma crítica a si mesma– sobre as manchetes que produziu a partir as delações premiadas, as quais, segundo o ministro do STF Gilmar Mendes, foram obtidas sob tortura.


A Folha, bem como os demais veículos de comunicação da velha mídia, dava como “verdade absoluta” o que o procurador Deltan Dallagnol e o ex-juiz Sérgio Moro se dispunham a vazar seletivamente.


Segundo a ombudman, a Folha “virou a chave” do péssimo jornalismo com depois de conhecidas as conversas obtidas pelo site The Intercept.


O jornalão paulista já apoiou outros eventos que violaram a Constituição e o Estado Democrático de Direito. Vide a ditadura militar que, inclusive, chamou de “ditabranda” num polêmico editorial. Até a Globo fez uma autocrítica sobre esse sombrio período da história brasil, mas os Frias ainda não.


Mais do que uma expiação interna com esse ‘mea culpa’, por ter apoiado cegamente a Lava Jato, a Folha de S. Paulo deve desculpas à nação pelo apoio ao golpe que derrubou Dilma Rousseff (PT) e pela prisão inconstitucional do ex-presidente Lula, bem como pela eleição do tresloucado presidente Jair Bolsonaro (PSL).


Ah!, não menos importante, a Folha também deve desculpas aos 13 milhões de desempregados, pelo fim da aposentadoria e pela quebra de milhares de empresas. Afinal de contas, o jornalão defende o mesmo projeto neoliberal que Bolsonaro defende. Portanto, são farinha do mesmo saco.


Por derradeiro, quem concorre com a prática de crimes deve ser punido na medida de sua culpabilidade. A prescrição é do Código Penal, do artigo 29 a 31.


SEGUE APÓS A MÍDIA



LEIA TAMBÉM
General Heleno manda FHC calar a boca após crítica a Bolsonaro


Moro ‘absolve’ Bolsonaro pelo caixa 2 do laranjal do PSL


Acuado por Moro, Maia afirma que é “zero” chance de CPI da Vaza Jato


Leia a íntegra da opinião da ombudsman da Folha:


Flavia Lima – Ombudsman


A Folha faz autocrítica


Jornal reflete sobre manchetes produzidas a partir de delações premiadas


Em tempos de forte antagonismo e de muitas acusações, virou clichê cobrar autocrítica daqueles que erraram de alguma forma. Assumir a responsabilidade por falhas, porém, está longe do trivial—sobretudo no jornalismo.


Daí que não deixa de ser uma surpresa ouvir a Folha falando sobre o que faria diferente em uma das mais importantes coberturas feitas recentemente: a Lava Jato.


Isso aconteceu no almoço que reuniu 10 dos 12 dos ex-ombudsmans da Folha, a ombudsman atual, a Secretaria de Redação e a direção do jornal para comemorar os 30 anos da função.


Um dos presentes, Mario Vitor Santos, único ombudsman a desempenhar a função em dois períodos não consecutivos, na década de 1990, interrompeu uma conversa mais leve para perguntar se o jornal não teria autocrítica a fazer sobre a cobertura da Lava Jato, sobretudo depois de conhecidas as conversas obtidas pelo site The Intercept.


O conteúdo dessas conversas, que foi analisado e publicado também pela própria Folha, pôs em dúvida a imparcialidade do então juiz e hoje ministro da Justiça, Sergio Moro, e a conduta dos procuradores da força-tarefa.


Para certa surpresa geral, Sérgio Dávila, hoje diretor de Redação, disse que sim.


Na avaliação do segundo na hierarquia do jornal entre 2010 e 2019 (portanto durante o início e as fases mais importantes da operação), o espaço dado pelo jornal às denúncias vazadas pela procuradoria é merecedor de críticas.


“Se eu tivesse que revisitar o caso e fazer a cobertura de novo, sei que isso não é possível, talvez repensasse o espaço que demos, manchetes atrás de manchetes…”, disse.


“Então, sim, faço essa autocrítica. Mas a postura que o jornal teve em relação à operação, talvez não desde o começo, mas desde que se configurou que eles estavam ultrapassando todos os sinais, eu estou satisfeito com ela”.


Dávila falava em ‘on’ (no jargão jornalístico, a indicação de que a fala pode ser publicada) sobre um procedimento comum não só na Folha, mas em todos os grandes jornais: as manchetes produzidas a partir de delações premiadas na linha do “fulano disse que beltrano fez tal coisa, segundo investigação da Lava Jato”.


Muito desse conteúdo, no entanto, terminou revisto ou invalidado pelos tribunais, sem que uma nova manchete viesse fazer a reparação.


Considero importante que o leitor saiba o que a Folha hoje pensa daquilo que produziu, mesmo que esse reconhecimento venha muito depois das primeiras ressalvas feitas aos métodos da Lava Jato e num momento (após os vazamentos), em que ficou mais fácil fazer a crítica. Afinal de contas, reconhecer os próprios erros não é o forte do jornalismo.


Falando especificamente da Lava Jato, é possível dizer que a imprensa foi transformada, muitas vezes, em linha auxiliar da operação como uma estratégia de angariar suporte.


O forte apoio da população à operação e a heroicização dos líderes da Lava Jato de certa forma inibiram abordagens mais críticas aos métodos da operação, incluídos os exageros nas buscas e apreensões, as conduções coercitivas desnecessárias e as prisões por tempo indeterminado.


Foi assim que apontar problemas na Lava Jato virou quase um tabu em nome de um objetivo maior: o combate à corrupção no Brasil.


Em 2016, o próprio juiz Moro chegou a escrever para a Folhamensagem em que lamentava que um “respeitado jornal” oferecesse espaço a um artigo de opinião publicado à época com críticas à performance dele na operação.


Viu-se, portanto, um juiz contestar um jornal por desempenhar a própria função, que é dar lugar à crítica, ouvir diferentes vozes, fomentar o debate público.


A despeito desse ambiente, a Folha produziu algumas matérias que questionavam o então magistrado (“Moro trava investigações para proteger empresas e delatores da Lava Jato”), ou o modus operandi da operação (“Teoria da ‘cegueira deliberada’ ampara condenações na Lava Jato”).


Também publicou alguns editoriais nos quais criticou temas como a quebra do sigilo telefônico de Lula ou o PowerPoint produzido pelo procurador Deltan Dallagnol.


Mas não havia reconhecido erros—não de maneira enfática. A seção “Erramos” da Folha é uma importante ferramenta de correção, mas não é o canal por meio do qual o jornal vem aos leitores fazer reparos a sua conduta.


A Secretaria de Redação também produz diariamente a Autocrítica, que é feita apenas para consumo interno e, a despeito do nome, não é lugar para grandes reflexões. Mas elas precisam ser feitas. Exageros e erros são inevitáveis. Correções também deveriam sê-lo.


Flavia Lima
Repórter especializada em economia, é formada em ciências sociais pela USP e em direito pelo Mackenzie. É ombudsman da Folha desde maio de 2019.

FONTE: DO BLOG DO ESMAEL

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados