Quinta, 17 de outubro de 2019
(94) 99153-9530
Política

09/10/2019 ás 08h55 - atualizada em 09/10/2019 ás 09h12

Moraes Filho

Xinguara / PA

Lula a canal russo: ‘Eu gostaria de fazer uma delação contra Moro e Dallagnol na ONU’
“Quero me defender, porque o culpado neste país é quem me condenou, e quero provar isso “.
Lula a canal russo: ‘Eu gostaria de fazer uma delação contra Moro e Dallagnol na ONU’

O ex-presidente Lula foi entrevista pelo canal russo RT e explicou que não quer progredir para o regime semiaberto porque não aceita a pena. Ele disse que os que condenaram ele precisam ser julgados em seu lugar.


‘Eu gostaria de fazer uma delação contra Moro e Dallagnol’, disse o petista, que apontou no horizonte levar o ex-juiz e o procurador da Lava Jato para julgamento na ONU (Organização das Nações Unidas).


Lula disse que ele foi impedido de assumir a Casa Civil no governo de Dilma Rousseff, em 2016, porque o então juiz Sérgio Moro e o coordenador da força-tarefa Deltan Dallagnol mentiram para os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). O ex-presidente se referiu às conversas vazadas pelo site The Intercept Brasil.


Leia o resumo da entrevista realizado pelo RT:


Lula da Silva, da prisão: “Com presidentes que estão lambendo botas americanas, o Brasil não avança”


“Trump foi eleito para ser presidente, mas acredita que foi eleito para ser Deus”, diz o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva em entrevista exclusiva à RT. Como você explica o ódio generalizado contra ele? Quem realmente não quer que eu saia da prisão e por quê? Qual é a única maneira de resolver a crise no Peru? Por que precisamos de uma nova governança mundial? Veja no RT.


Nesta nova edição da ‘Entrevista’, o ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde abril de 2018 por sua suposta conexão com o caso de corrupção conhecido como ‘Lava Jato’, recebe TR na prisão da cidade de Curitiba e explica por que ele se recusa a receber o benefício semi-aberto da prisão em troca de uma multa equivalente a US$ 1,25 milhão.


“Não rejeito minha liberdade. Se há algo que quero na vida é ir para casa morar com meus filhos, morar com minha família. Não gosto de estar aqui”, diz ele. No entanto, ele afirma: “O que não posso aceitar é a tese de que estou esperando uma progressão porque cometi um crime e já cumpri uma sexta sentença. Quero sair daqui com minha inocência 100% comprovada. Quero essas quem mentiu para o povo brasileiro se submete ao julgamento do povo como eu me submeto . ”


Nesse sentido, o líder do Partido dos Trabalhadores (PT), desqualificado pela Justiça para participar das eleições do ano passado, quando era o candidato mais popular, esclarece: “Estou contestando um juiz que mentiu em meu julgamento, que foi [Sergio] Moro, um promotor que mentiu na acusação e quem contou mentiras na investigação “. Atualmente, o magistrado que condenou Lula dirige o Ministério da Justiça sob a administração do direitista Jair Bolsonaro.


SEGUE APÓS A MÍDIA



LEIA TAMBÉM
Noblat vê ‘fidelidade canina’ de Moro com Bolsonaro


Barbara Gancia diz que, perto de Silvio Santos, o “véio da Havan é só um trombadinha”


Folha confessa que ajudou nos crimes da Lava Jato


Por outro lado, o político comenta que sua equipe jurídica está “recorrendo a todas as instâncias necessárias para que a investigação seja lida”, a fim de “analisar as acusações”. Ao mesmo tempo, muitos juristas se perguntam se é legal que uma pessoa condenada se recuse a receber um tratamento melhor em sua privação de liberdade: “Não sei se a juíza [Carolina Lebbos] pode me forçar a cumprir, não sou advogado. Tudo o que sei é o seguinte: estou lutando pela minha inocência. Fui vítima de um julgamento político “. Nesse sentido, o condenado acredita que “não há queixa verdadeira”, mas que existem “muitas mentiras e interesses políticos”.


“Tudo era para impedi-lo de ser presidente”
Analisando o presente do ‘Gigante da América do Sul’, o entrevistado entende que tudo foi uma manobra para o PT do centro do cenário político: “Eles atingiram Dilma [Dilma] e depois do golpe Lula não pôde ser presidente novamente , então foi necessário criar uma confusão com Lula “. E ele continua: “Como eles não pensavam que poderiam voltar ao que foi feito no século XIX com aqueles que se rebelaram neste país: enforcar, decapitar, dispersar … eles decidiram usar o judiciário para me transformar no que estão me transformando”.


Além disso, o entrevistado está convencido de que a pessoa responsável por essa suposta rede é Moro: “Quero me defender, porque o culpado neste país é quem me condenou, e quero provar isso “.


Quanto à investigação de ‘Lava Jato’, o brasileiro reconhece que essa investigação “teve mérito em algumas coisas”. De fato, ele acredita que “as pessoas que confessaram ter roubado foram presas, e todas as que roubaram devem ser presas “. No entanto, ele argumenta que, no caso dele, “uma operação policial foi transformada em operação política partidária para tentar impedi-lo de ser presidente da República, que era o único objetivo”. Sobre isso, ele menciona algumas das possíveis irregularidades em seu processo: “Fui julgado em Curitiba, embora devesse ter sido julgado em São Paulo. Eles me acusaram de coisas que não fiz, sou condenado por um departamento que não é meu”.


Além de sua tão esperada liberdade, o mais importante para o líder é que seus adversários peçam perdão: “Depois de oitenta capas de revistas, centenas de horas na televisão, milhares de capas que dizem que Lula era corrupto, como vão se desculpar agora? com o povo brasileiro e diga ‘me desculpe’? ”


O papel do Brasil na política mundial
Em outra seção do relatório, Lula critica o atual governo daquele país latino-americano: “Até agora o governo brasileiro não disse a palavra ‘produzir’, a palavra ‘crescimento’, a palavra ‘crescimento’, a palavra ‘distribuição de renda’, a palavra ‘aumento salarial’, nada disso existe “. Ele também diz que “até agora, este país está sendo sustentado pelas reservas criadas pelo PT de 387.000 milhões de dólares”.


Sobre o papel das potências mundiais, mostra “orgulhoso” do papel ocupado pelo Presidente russo , Vladimir Putin , na “história do mundo atual”: ” Ele significa que o mundo não pode ser tomada como refém por política americana” , ele observa . Em troca, para se referir ao líder da Casa Branca, Donald Trump , menciona “a loucura de um presidente que acredita que pode invadir qualquer país” e “matar qualquer presidente”. A esse respeito, ele diz: “É necessário que alguém pare com isso! E o Brasil pode com isso. O Brasil tem tamanho para isso, tem grandeza para isso, faz fronteira com dez países da América do Sul”.


Nessa linha, o entrevistado explica que “no momento você tem presidentes que não se respeitam, que não respeitam sua soberania e que continuam lambendo as botas dos americanos, como Fernando Henrique Cardoso fez com Clinton e Bolsonaro faz com Trump, o país não avançará “, e insiste: ” Este país tem que ser soberano! ” .


Mais tarde, no presidente dos EUA, ele diz: “Ele foi eleito candidato, mas acredita que Deus foi eleito” e lembre-se de que ser presidente significa “ter a capacidade de construir uma maioria política diariamente”. “Isso significa que você deve construí-lo conversando com quem você gosta e com quem não gosta, conversando com as pessoas que o ajudarão a exercer essa democracia e a governar um país. Então, infelizmente, o mundo está retrocedendo. Está retrocedendo na Europa, na América do Norte. Sul, nos Estados Unidos. É uma coisa muito ruim “, acrescenta.


Na sua perspectiva, seu modelo ideal estaria alinhado aos BRICS, ou seja, às economias da Rússia, Índia, China e África do Sul. Ele gostaria de ter uma “indústria forte” e dar à Petrobras uma maior preponderância, a empresa estatal mais importante do país dedicada ao petróleo. Nesse sentido, ele ressalta que o melhor momento da América Latina foi quando coexistiram os chamados “governos progressistas” : “Criamos a UNASUL, criamos a CELAC. Tivemos reuniões entre a América do Sul e África, América do Sul e países árabes. O Mercosul passou de 10.000 milhões [dólares] no comércio para quase 74.000 milhões. Então, as coisas estavam crescendo extraordinariamente “.


“Um forte bloco econômico e político na América do Sul”
Segundo Lula, “é possível criar uma integração regional novamente”. Portanto, acompanhe de perto como as próximas eleições presidenciais ocorrerão na Argentina, Uruguai e Bolívia: “Elas nos permitirão sonhar em criar um forte bloco econômico e político na América do Sul”. Além disso, sobre o papel que a região historicamente ocupava no mundo, o líder argumenta: “As pessoas precisam entender que não podemos, no século 21, continuar vivendo como vivemos por todos os séculos desde que fomos descobertos”.


Crise política no Peru
No momento dramático que Lima atravessa, onde os poderes Executivo e Legislativo não se reconhecem, situação que terminou com a dissolução do Parlamento ordenada pelo presidente Martín Vizcarra, Lula critica muito o presidente: “São novos tipos de golpe de Estado. Estado que aparece todos os dias . ” Além disso, ele acredita que seria melhor desenvolver novas eleições presidenciais: “Se a situação no Peru for ruim, novas eleições serão convocadas . O primeiro gesto de um presidente da República responsável não é revogar o mandato de outros. seu! Porque se a orquestra não funcionar bem, não culparemos o violino, culparemos o maestro. ”


Amazonia
“Em nosso governo, reduzimos o desmatamento em mais de 83% (…) e as emissões de gases de efeito estufa em 80%”, diz Lula. Além disso, ele critica que a atual Presidência se recuse a receber apoio internacional para proteger a Amazônia, em meio à preocupação global com os sucessivos incêndios que comprometem esse importante ecossistema: “O que o Brasil precisa entender é que nossa incapacidade científica, nossa incapacidade financeiro para cuidar desse ecossistema e dessa biodiversidade com o cuidado que a humanidade precisa que tenhamos, não nos dispensa de receber apoio “.


Do seu ponto de vista, aceitar ajuda externa não prejudica a soberania brasileira . Ao mesmo tempo, lembre-se de que em sua administração foram assinados acordos com a Alemanha e a Noruega para esse fim. “Bolsonaro fala de soberania, por um lado, e, por outro lado, envia seu filho para ser embaixador nos EUA para entregar a Amazônia para exploração”.


“Odeio rostos com amor”
Para concluir a palestra, o referente do PT diz à platéia: “Não há como você enfrentar o ódio com mais ódio. O ódio se vê diante do amor, do humanismo, da bondade e da solidariedade”. Ele também analisa que deixou o governo com alta aprovação popular, mas reflete sobre o atual confronto: “A única explicação que encontro para o ódio generalizado contra mim é que fizemos com que as pessoas mais humildes do país subissem a escada social “.


E ele conclui: “Tenho 73 anos, faço 74 em 27 de outubro e quero viver até os 120 anos. E vou verificar se eles são mentirosos”.



O ex-presidente Lula foi entrevista pelo canal russo RT e explicou que não quer progredir para o regime semiaberto porque não aceita a pena. Ele disse que os que condenaram ele precisam ser julgados em seu lugar.

FONTE: DO BLOG DO ESMAEL

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados