Segunda, 24 de fevereiro de 2020
(94) 99153-9530
Cidades

03/02/2020 ás 08h56 - atualizada em 03/02/2020 ás 09h03

Moraes Filho

Xinguara / PA

Justiça aceita denúncia do MPF por trabalho escravo na fazenda Brasil Verde (PA)
João Luiz Quagliato Neto e Antônio Jorge Vieira agora são réus no processo judicial
Justiça aceita denúncia do MPF por trabalho escravo na fazenda Brasil Verde (PA)
Arte: Secom/PGR

A Justiça Federal aceitou a denúncia criminal apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) contra João Luiz Quagliato Neto e Antônio Jorge Vieira por aliciar trabalhadores, frustrar direitos trabalhistas e reduzir pessoas a condição semelhante à de escravo, crimes cometidos contra 85 trabalhadores rurais que foram resgatados na fazenda de Quagliato, no município de Sapucaia (PA), em 15 de março de 2000.


A decisão de recebimento da denúncia foi assinada pelo juiz federal Hallisson Costa Glória na segunda-feira (27). O recebimento da denúncia significa que a Justiça considerou haver indícios suficientes para que o processo penal seja instaurado e os acusados – agora réus – sejam julgados.


Ajuizada em setembro, a denúncia criminal é o resultado de um trabalho iniciado pelo MPF em cumprimento à sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos (Corte IDH) que, em 2016, condenou o Brasil por permitir a impunidade dos acusados pelos crimes na fazenda Brasil Verde. A Corte declarou “a responsabilidade do Estado brasileiro por violar o direito à não submissão à escravidão e ao tráfico de pessoas”.


Uma das obrigações previstas na sentença era restabelecer o processo judicial do caso, que havia desaparecido ao ser enviado para a vara estadual da comarca de Xinguara. Ao longo de dois anos, a partir de 2017, o MPF conseguiu localizar 72 vítimas distribuídas em 11 estados da Federação e ouviu ainda os acusados e testemunhas dos crimes.


Entenda o caso – A fazenda Brasil Verde, localizada no município de Sapucaia (PA), pertence ao Grupo Irmãos Quagliato, um dos maiores criadores de gado do país. Em 15 de março de 2000, a equipe de fiscalização móvel da Superintendência Regional do Trabalho do Ministério do Trabalho e do Emprego constatou que João Luiz Quagliato Neto e Antônio Jorge Vieira (vulgo “Toninho”) submetiam 85 trabalhadores, alguns deles menores de idade, a condições análogas às de escravidão, sem receber os devidos pagamentos, com restrição da liberdade de locomoção e submetidos a constante vigilância armada, além da retenção, pelo gerente Antônio Jorge Vieira, da carteira de trabalho de todos os empregados, que foram obrigados a assinar documentos em branco.


Os trabalhadores chegaram à fazenda após serem aliciados com a promessa de trabalharem em troca de uma diária de R$ 10 a R$ 12, mas estavam trabalhando há meses sem receber nada, com alimentação e alojamentos precários e acumulando dívidas. A equipe de fiscalização chegou ao local e libertou os 85 trabalhadores após dois deles terem conseguido fugir depois de serem espancados por ficarem doentes e não poderem trabalhar. Segundo os trabalhadores, a fuga foi pelo mato, e durou dias de caminhada até que eles chegaram a um posto da Polícia Rodoviária Federal em Marabá e relataram a exploração.


CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE



Processo nº 0001923-54.2019.4.01.3905 - 1ª Vara da Justiça Federal em Redenção (PA)


Íntegra da decisão de recebimento da denúncia


Íntegra da denúncia


Consulta processual


Notícias relacionadas:


MPF denuncia João Luiz Quagliato Neto e Antônio Jorge Vieira por trabalho escravo na fazenda Brasil Verde (PA)


Tribunal manda prosseguir investigação do MPF por trabalho escravo na fazenda Brasil Verde


#TrabalhoEscravoNão: após 18 anos, impunidade a crime na Fazenda Brasil Verde pode chegar ao fim


PGR anuncia criação de força-tarefa para investigar casos de trabalho escravo na Fazenda Brasil Verde


MPF inicia procedimento para reconstrução de processo penal do caso Fazenda Brasil Verde


MPF coleta informações para reconstrução de investigação sobre caso de trabalho escravo no Pará


 


Ministério Público Federal no Pará
Assessoria de Comunicação

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2020 :: Todos os direitos reservados