Sexta, 30 de Outubro de 2020
Geral EDUCAÇÃO SUPERIOR

Candidato que teve apenas 6% dos votos é escolhido Reitor da Unifesspa

Qual a representatividade de um Reitor que não tem o reconhecimento de nem 7% da comunidade?

20/09/2020 10h26
Por: Redação Integrada Fonte: Hiroshi Bogea
Francisco Ribeiro (centro) foi nomeado e será novo reitor a partir de outubro quando termina o mandato do professor Maurílio Monteiro
Francisco Ribeiro (centro) foi nomeado e será novo reitor a partir de outubro quando termina o mandato do professor Maurílio Monteiro

Um verdadeiro ato de irresponsabilidade  marcou a decisão do presidente  Jair Bolsonaro ao escolher o terceiro colocado da lista tríplice enviada ao governo federal,  após a consumação da eleição para a Reitoria da Unifesspa.

O Diario Oficial da União publicou a nomeação de Francisco Ribeiro da Costa como novo Reitor da Universidade do Sul/Sudeste do Pará, candidato que obteve  somente 6,9% dos votos, na eleição realizada em maio.

O ato de irresponsabilidade é caracterizado por uma decisão ideológica do presidente, ao deixar de nomear um candidato que somou 85% da comunidade universitária o atual reitor Maurílio Monteiro.

A lista tríplice dos candidatos à reitoria mais votados pela comunidade acadêmica foi enviada ao Ministério da Educação (Mec) no último dia 10 de junho.

O atual reitor da Unifesspa, professor Maurílio de Abreu Monteiro, cujo mandato referente ao quadriênio 2016-2020 termina no mês de outubro deste ano, foi reeleito pela comunidade universitária com 84,4% dos votos válidos. Em segundo lugar, ficou o professor Fábio dos Reis Ribeiro de Araújo, com 8,7% dos votos, e Francisco Ribeiro da Costa foi o terceiro colocado, com 6,9% dos votos.

A consulta à comunidade acadêmica foi realizada de forma on-line, no período de 15 de abril a 2 de junho, com amplo comparecimento às urnas, resultando numa participação de 78,8% do colégio eleitoral, o que corresponde ao engajamento de 85,8% dos docentes, 36,4% dos alunos e 88,5% dos técnicos administrativos.

A Unifesspa disponibiliza mais de 40 cursos de graduação (bacharelado e licenciatura) na modalidade presencial, 18 programas de Pós-Graduação lato (especializações e aperfeiçoamentos) e stricto sensu (mestrados e doutorados), além de desenvolver atividades de pesquisa e extensão.

A decisão de Bolsonaro causou revolta e  generalizada insatisfação na Academia.

Qual a representatividade de um Reitor que não tem o reconhecimento de nem 7% da comunidade?

Qual o caminho  destinado agora à Unifesspa, num momento de profunda tensão provocada por uma decisão insensata de um Presidente da República que não respeita a decisão da quase unanimidade  do universo acadêmico?

Futuro sombrio aguarda a Universidade Federal mais jovem do país.

Lamentável.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias