Sábado, 16 de Janeiro de 2021 (94) 99153-9530
Política CRÍTICA A MORO

Zanin: alegação de Moro para trabalhar em consultoria americana é um 'absurdo e contradiz o histórico dele como juiz'

Segundo Zanin, Moro "tenta se proteger com essa suposta cláusula, ao passo que negou durante toda a Lava Jato o valor de documentos claros que mostravam a improcedência das acusações contra o presidente Lula".

05/12/2020 20h20
Por: Redação Integrada Fonte: BRASIL 247
Cristiano Zanin Martins e Sérgio Moro (Foto: Divulgação)
Cristiano Zanin Martins e Sérgio Moro (Foto: Divulgação)

"Moro diz agora que uma cláusula do contrato impediria um conflito de interesse, asseguraria toda a legitimidade da sua escolha. É um absurdo. E contradiz o histórico dele como juiz", afirmou o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Lula, em referência às alegações do ex-juiz para atuar na empresa de consultoria Alvarez & Marsal (EUA)

O advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, criticou a contratação do ex-ministro Sérgio Moro pela empresa de consultoria Alvarez & Marsal, responsável pela administração judicial da Odebrecht e de empreiteiras como a OAS e a Queiroz Galvão. O ex-juiz da Lava Jato receberá R$ 1,7 milhão de salário, mas o Tribunal de Ética da OAB-SP quer proibi-lo de atuar na empresa

"Moro diz agora que uma cláusula do contrato impediria um conflito de interesse, asseguraria toda a legitimidade da sua escolha. É um absurdo. E contradiz o histórico dele como juiz. Ele negou a validade de documentos apresentados por vários acusados", afirmou Zanin à Carta Capital

"No caso do presidente Lula, contratos da OAS com a Caixa Econômica Federal que mostravam que o tríplex estava vinculado a um empréstimo do banco, e que, portanto, 100% do valor havia sido transferido à Caixa. Apresentamos documentos da própria Alvarez & Marsal que atestavam a propriedade da OAS do imóvel. Ele rejeitou essa prova. E agora quer se defender com base em uma suposta cláusula de contrato sequer apresentada", complemento.

O advogado continuou suas críticas. "Como fica a tese criada por ele na Lava Jato sobre a existência de um caixa geral que alimentava a corrupção? A Alvarez & Marsal não tem um caixa geral pelo qual passam os honorários da OAS, da Odebrecht, da Avianca, e de onde sairá seus vencimentos? Essa é a tese que condenou diversos réus, inclusive o presidente Lula. É uma teoria que não passa pelo teste da Lava Jato", disse. 

Segundo Zanin, Moro "tenta se proteger com essa suposta cláusula, ao passo que negou durante toda a Lava Jato o valor de documentos claros que mostravam a improcedência das acusações contra o presidente Lula". "No caso da Odebrecht, até hoje não foram fixados os valores finais que a A&M receberá por ser a administradora judicial. Isso está em aberto. Em que medida a ida do Moro para a A&M vai se refletir na definição desses valores e a própria disposição da Odebrecht em pagar?", questionou. 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias