Domingo, 24 de Janeiro de 2021 (94) 99153-9530
Dólar comercial R$ 5,48 2.142%
Euro R$ 6,67 +2.24%
Peso Argentino R$ 0,06 -0.01%
Bitcoin R$ 190.785,71 -1.853%
Bovespa 117.380,49 pontos -0.8%
Economia ECONOMIA

Agenda de reformas será retomada

Em entrevista coletiva, o ministro Paulo Guedes fez um balanço das iniciativas do Governo para a retomada da economia

19/12/2020 23h43 Atualizada há 1 mês
Por: Redação Integrada Fonte: Governo do Brasil
Ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que, este ano, foi preciso mudar a agenda de reformas estruturais para medidas emergenciais - Foto: Ministério da Economia
Ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que, este ano, foi preciso mudar a agenda de reformas estruturais para medidas emergenciais - Foto: Ministério da Economia

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que, com a chegada da Covid-19, foi preciso mudar a agenda de reformas estruturais para medidas emergenciais

Em um balanço feito nesta sexta-feira (18) sobre a economia brasileira em 2020 e as medidas tomadas pelo Governo Federal, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que, com a chegada da Covid-19, foi preciso mudar a agenda de reformas estruturais para medidas emergenciais.

Ele detalhou uma série de ações tomadas pelo Governo como a liberação de recursos para o pagamento do Auxílio Emergencial, para atender estados e municípios na área de Saúde e linhas de crédito para socorrer, principalmente, empresas de pequeno e médio porte. Além das iniciativas de manutenção de empregos no país.

“Além dessa batalha inicial para salvar vidas, houve também uma grande preocupação com a economia, preservar os empregos”, ressaltou Paulo Guedes. “A maior parte da ajuda foi para a Saúde e preservação da vida dos brasileiros”, afirmou.

Auxílio Emergencial

O pagamento do auxílio garantiu proteção social às camadas mais vulneráveis da população, de acordo com Guedes. “É um programa que acredito que foi um dos mais rápidos do mundo. Digitalizamos e entregamos essa proteção a 64 milhões de brasileiros. Dos R$ 600 bilhões de ajuda, mais de R$ 300 bilhões foram diretamente para o Auxílio Emergencial.”

Linhas de crédito

O ministro lembrou que o Governo tomou várias medidas de socorro a setores da economia voltadas, por exemplo, ao setor elétrico, automotivo e de aviação. E também as linhas de crédito para micro e pequenas empresas. “Esses programas chegaram a salvar 650 mil pequenas e médias empresas”, relatou.

Manutenção de empregos

O Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, que permite a redução de jornada e suspensão de contratos de trabalho, foi citado pelo ministro como fundamental para garantir a manutenção da renda para milhares de brasileiros. “Talvez tenha sido o programa mais bem-sucedido de preservação de empregos. Tenho contato com alguns desses programas lá fora e não há casos semelhantes.”

Os dados do Ministério do Trabalho mostram que, até agora, 20 milhões de empregos foram preservados com a iniciativa.

Reformas

O ministro da economia disse que está mantida a agenda de reformas estruturais. Segundo ele, apesar de paralisações em algumas discussões no Congresso Nacional nos últimos meses, foi possível aprovar matérias importantes como o novo Marco Legal do Saneamento, a nova Lei de Falências e o projeto de ajuda a estados em troca de um plano de ajuste fiscal. “Em nenhum momento abandonamos a ideia de que as reformas têm que continuar”, ressaltou.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias