Domingo, 24 de Janeiro de 2021 (94) 99153-9530
Política POLÍTICA

Barroso diz que Bolsonaro contribui para 'ilegítima desestabilização das instituições'

Presidente do TSE rebate declarações do chefe do Executivo, que sem provas, voltou a propagar suspeitas sobre o sistema eleitoral brasileiro

08/01/2021 00h17 Atualizada há 2 semanas
Por: Redação Integrada Fonte: Matheus Teixeira/Folha
O presidente do TSE e ministro do STF, Luiz Roberto Barroso, durante entrevista à Folha em seu gabinete no Tribunal Superior Eleitoral Pedro Ladeira/Folhapress
O presidente do TSE e ministro do STF, Luiz Roberto Barroso, durante entrevista à Folha em seu gabinete no Tribunal Superior Eleitoral Pedro Ladeira/Folhapress

O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, afirmou nesta quinta-feira (7) que as declarações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de que houve fraude nas eleições de 2018 contribuem para a “ilegítima desestabilização das instituições”.

Sem mencionar diretamente o chefe do Executivo, o magistrado disse que a “vida institucional não é um palanque e as pessoas devem ser responsáveis pelo que falam”.

"Se alguma autoridade possuir qualquer elemento sério que coloque em dúvida a integridade e a segurança do processo eleitoral, tem o dever cívico e moral de apresentá-lo. Do contrário, estará apenas contribuindo para a ilegítima desestabilização das instituições."

Barroso cobrou que Bolsonaro apresente as provas prometidas desde março de 2020 de que teria sido eleito no primeiro turno em 2018.

Barroso condenou, ainda, a afirmação de Bolsonaro de que, se não tiver voto impresso nas em 2022, “o problema será pior” que o ocorrido nos Estados Unidos, onde apoiadores de Donald Trump invadiram o Capitólio para impedir a ratificação de Joe Biden como presidente.

“Por fim, uma importante lição da história é a de que governantes democráticos desejam ordem. Por isso mesmo, não devem fazer acenos para desordens futuras, violência e agressão às instituições”, afirmou o ministro.

Barroso classificou o evento ocorrido nos EUA na última quarta-feira (6) como “atos de incivilidade e de ataque às instituições”. Segundo o ministro, os invasores do Congresso americano são “extremistas inconformados com a derrota”.

O ministro destacou que a alternância no poder é “rito vital da democracia e não aceitá-la é vício dos espíritos autoritários, que não respeitam as regras do jogo”.

Por meio de nota, o presidente do TSE também defendeu as urnas eletrônicas e afirmou que o sistema é auditável e fiscalizável, diferentemente do que afirma Bolsonaro.

Apoiadores de Trump entram em confronto com a polícia e invadem Congresso dos EUA

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias