Domingo, 24 de Janeiro de 2021 (94) 99153-9530
Política IMPEACHMENT

Em novo pedido de impeachment, Bolsonaro é acusado de apologia à tortura

PT cita ironias do presidente sobre as agressões sofridas por Dilma Rousseff (PT) na ditadura militar

08/01/2021 00h36 Atualizada há 2 semanas
Por: Redação Integrada Fonte: VICTOR OHANA/fOLHA
 O PRESIDENTE JAIR BOLSONARO IRONIZOU TORTURA SOFRIDA POR DILMA ROUSSEFF. FOTOS: MARCOS CORRÊA/PR E RICARDO STUCKERT
O PRESIDENTE JAIR BOLSONARO IRONIZOU TORTURA SOFRIDA POR DILMA ROUSSEFF. FOTOS: MARCOS CORRÊA/PR E RICARDO STUCKERT

Um novo pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro será protocolado na Câmara dos Deputados, segundo anúncio desta quinta-feira 7. Desta vez, a representação acusa o chefe do Executivo de cometer crime de responsabilidade ao fazer apologia à tortura, por ironias às agressões sofridas pela ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) durante a ditadura militar.

Leia também:

ABI entra com pedido de impeachment de Pazuello por incompetência

Sobram razões para o impeachment de Bolsonaro, escreve Pedro Serrano

PT aciona TSE e PGR contra Bolsonaro por acusações de fraude ao sistema eleitoral

O pedido é assinado pelos deputados federais Rogério Correia (PT-MG) e Rui Falcão (PT-SP), em conjunto com a ex-ministra Eleonora Menicucci, que também foi vítima de tortura.

Os autores se referem à declaração de Bolsonaro, em 28 de dezembro, em que pediu que Dilma mostrasse um raio-X para provar uma fratura na mandíbula. Logo depois, a petista rebateu o deboche e afirmou que o presidente tem “índole de torturador”.

Os solicitantes argumentam que a apologia de crime ou criminoso está tipificada no Artigo 287 do Código Penal. A tortura é considerada um crime hediondo, imprescritível e inafiançável pela legislação brasileira.

“Ao debochar e ironizar a tortura sofrida por Dilma e, consequentemente, insultar a memória de milhares de brasileiros que perderam suas vidas e suas dignidades durante a ditadura militar de 1964, o ora denunciado nitidamente cometeu crime de apologia à tortura”, diz o pedido.

“Não há como compatibilizar a apologia e ironização da tortura (crime lesa humanidade) com o Estado Democrático de Direito e a probidade que se espera de um Chefe de Estado”, afirmam os autores.

RECEBA AS NOTÍCIAS DE CARTACAPITAL TODOS OS DIAS NO SEU E-MAIL

O pedido precisa ser pautado pelo presidente da Câmara para entrar em votação entre os deputados. Se aprovado, é aberto o processo. O impeachment precisa ser aprovado tanto na Câmara quanto no Senado. Há 59 pedidos de impeachment contra Bolsonaro, segundo a Câmara, por queixas de outros crimes.

No entantoo Congresso está em período de campanha para a eleição às presidências das duas casas legislativas. A votação ocorrerá em 1º de fevereiro. Na Câmara, competem pelo cargo o deputado Baleia Rossi (DEM-SP), indicado por Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o deputado Arthur Lira (PP-AL), apoiado por Bolsonaro. Para parlamentares, se o resultado favorecer Lira, dificilmente um processo de impeachment contra o presidente será aberto.

 

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias