Sábado, 06 de Março de 2021 (94) 99153-9530
Política CRÍTICA

Villas Bôas ironiza crítica de Fachin sobre pressão ao STF:

Fachin votou de maneira contrária ao que desejava a defesa de Lula. E, por isso, Lula foi preso

16/02/2021 19h27 Atualizada há 3 semanas
Por: Redação Integrada Fonte: Eduardo Militão/Do UOL, em Brasília
O general sofre de esclerose lateral amiotrófica e usa aparelhos para se comunicarImagem: Reprodução
O general sofre de esclerose lateral amiotrófica e usa aparelhos para se comunicarImagem: Reprodução

O ex-comandante do Exército Eduardo Villas Bôas ironizou, no Twitter, uma crítica do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin aos militares feita ontem.

A reprimenda do magistrado foi feita por causa de um livro recém-lançado. Nele, o militar conta que outros integrantes das Forças Armadas o ajudaram a escrever uma nota, três anos atrás, sobre um julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

RELACIONADAS

Fachin diz que é "intolerável e inaceitável pressão sobre o Judiciário"

Etchegoyen: Post de Villas Bôas só intimidaria se ministros fossem covardes

Opinião: Livro do general Villas Bôas expõe democracia frágil

Nesta terça-feira (16), o general Villas Boas comentou a notícia sobre as críticas de Fachin: "Três anos depois".

O general Villas Boas sofre de esclerose lateral amiotrófica. Ele usa aparelhos de informática para se comunicar, como na entrevista que concedeu ao jornalista Pedro Bial. O militar está numa cadeira de rodas.

"Alto comando" articulou nota, diz livro

Em abril de 2018, o STF julgaria um habeas corpus de Lula. O relator era Fachin. Antes do julgamento, Villas Boas publicou duas notas em rede social em que falava que o Exército compartilhava o "repúdio à impunidade".

No livro recém-lançado, "General Villas Bôas: conversa com o comandante", de Celso de Castro, o militar narrou que o texto dele foi redigido em conjunto com "integrantes do Alto Comando" da caserna. Ministros do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) participaram, segundo a Folha de S. Paulo.

No julgamento de 2018, Lula perdeu o habeas corpus. Fachin votou de maneira contrária ao que desejava a defesa do petista. E, por isso, Lula foi preso por já ter sido condenado em segunda instância por corrupção e lavagem de dinheiro. O petista só deixou a cadeia em 2019.

Ao saber das novas revelações do livro e do noticiário a respeito do caso ocorrido anos antes, Edson Fachin divulgou uma nota na segunda-feira (15). Nela, o ministro criticou os militares.

"Diante de afirmações publicadas e atribuídas à autoridade militar e na condição de relator no STF do HC 152752, anoto ser intolerável e inaceitável qualquer forma ou modo de pressão injurídica sobre o Poder Judiciário", afirmou Fachin ontem. "A declaração de tal intuito, se confirmado, é gravíssima e atenta contra a ordem constitucional. E ao Supremo Tribunal Federal compete a guarda da Constituição."

A conta do general Villas Bôas não foi a única a comentar o momento em que Fachin fez as críticas. Ainda na segunda-feira, o colunista do UOL Reinaldo Azevedo lembrou que, à época dos fatos, o ministro votou contra o habeas corpus de Lula.

"Não é que, quase três anos depois do famoso tuíte do general Eduardo Villas Bôas, então comandante do Exército, que deu um ultimato ao Supremo para manter Lula na cadeia, o homem decidiu considerar a coisa 'intolerável e inaceitável'?", questionou.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias