Sábado, 17 de Abril de 2021 (94) 99153-9530
Política TRIPLEX

Justiça de SP reconhece que Marisa Letícia desistiu do tríplex do Guarujá

"Não há prova nos autos de que, em algum momento, a autora tivesse recebido a posse do imóvel ou de que ele tivesse sido disponibilizado em seu favor", afirmou desembargadora Mônica de Carvalho

27/03/2021 17h34
Por: Redação Integrada Fonte: REVISTA FÓRUM
Marisa Letícia (Foto: Roberto Stuckert Filho)
Marisa Letícia (Foto: Roberto Stuckert Filho)

A  8ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou nesta quinta-feira (25) a restituição de parcelas pagas pela ex-primeira-dama Marisa Letícia em tríplex do então Edifício Navia (posteriormente Solaris), no Guarujá (SP). A decisão reconhece que Marisa desistiu do apartamento, o que desmonta tese da Força-Tarefa da Lava Jato sobre o tríplex.

“Não há prova nos autos de que, em algum momento, a autora tivesse recebido a posse do imóvel ou de que ele tivesse sido disponibilizado em seu favor”, disse a desembargadora Mônica de Carvalho, relatora do processo, em seu voto. Com isso, a OAS e a Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop) terão de restituir os pagamentos das parcelas feitas quando o edifício ainda se chamava Navia.

Em razão do atraso das obras do Navia e a falência da Bancoop, os proprietários de cotas do edifício poderiam escolher ou a restituição do valor pago ou uma unidade no Solaris. Marisa desistiu, conforme reconhece a Justiça de São Paulo.

“Se a construtora descumpre o prazo de entrega da obra, podemos dizer que a rescisão ocorreu por fato contra ela imponível, pelo que a autora [Marisa] tinha direito à devolução integral dos valores que pagou, devidamente atualizados e com imposição de atualização monetária, a qual representa meramente a recomposição do valor da moeda, e juros moratórios, que devem ser fixados na taxa integral”, completou.

Essa decisão, que reconhece que nunca houve usufruto do imóvel, contraria a tese da Operação Lava Jato, de que Lula seria dono do tríplex do Solaris e que o apartamento é fruto de propina.

Com informações da Conjur

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias