Segunda, 14 de Junho de 2021 (94) 99153-9530
Política CORONAVÍRUS

Site revela vídeo com reunião de 'gabinete paralelo' orientando Bolsonaro

O presidente também fala da hidroxicloroquina e defende o uso do medicamento, dizendo que um "amigo" diz não haver riscos.

05/06/2021 00h41
Por: Redação Integrada Fonte: Do UOL, em São Paulo
Foto: Metrópoles
Foto: Metrópoles

Vídeos revelados hoje pelo portal de notícias Metrópoles mostram o chamado "gabinete paralelo" orientando o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a ter cautela com vacinas sobre a covid-19. Nas imagens aparecem a médica Nise Yamaguchi, o ex-ministro Osmar Terra e o virologista Paulo Zanoto, entre outros participantes.

"No contexto da vacina, a gente tem que tomar extremo cuidado", diz Zanoto ao microfone diretamente a Bolsonaro, em vídeo que data de 8 setembro de 2020, de acordo com o site.

"O Brasil tem uma variedade genética promissora, que faz a população brasileira, provavelmente, uma das grandes mecas no desenvolvimento de vacina. A gente tem que tomar um cuidado enorme com isso", prossegue ele. "Não tem condição de qualquer vacina estar realisticamente na fase 3."

Bolsonaro endossa seu discurso antivacina. "Mesmo tendo aprovação científica lá fora, tem umas etapas para serem cumpridas aqui. Você não pode injetar qualquer coisa nas pessoas, muito menos obrigar".

Zanoto, então, diz que enviou uma carta a Arthur Weintraub sugerindo a criação de um "shadow board" (gabinete das sombras, em tradução livre).

As imagens continuam, mostrando Bolsonaro falando sobre vacinas a uma sala cheia de pessoas, nenhuma delas usando máscara.

A oncologista Nise Yamaguchi, que em depoimento esta semana na CPI da Covid negou que haja um gabinete paralelo, fala ao microfone e diz "ser uma honra" trabalhar com Osmar Terra. Segundo o Metrópoles, Terra seria o "cacique intelectual do grupo".

Um participante chega a chamar Osmar Terra de "padrinho" e o próprio Bolsonaro sugere que Terra entre em contato diretamente com o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

De acordo com o site, a reunião teria ocorrido em 8 de setembro e, naquela ocasião, a farmacêutica Pfizer já havia enviado e-mails ao Ministério da Saúde com oferta de vacinas, porém não obteve resposta.

O presidente também fala da hidroxicloroquina e defende o uso do medicamento, dizendo que um "amigo" diz não haver riscos.

Osmar Terra endossa o presidente apontando para uma das pessoas na reunião, dizendo se tratar de um "especialista em arritmia cardíaca" que é "o primeiro a dizer que não tem problema usar a hidroxicloroquina".

UOL procurou a presidência, mas não obteve retorno até o momento. Quando o posicionamento for enviado, ele será acrescentado à nota.

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias