Quarta, 22 de Setembro de 2021
°

-

Política ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro diz que apoiadores não aceitarão eleições sem voto impresso

Presidente chama eleitores de "nosso exército". E, apesar de diariamente discursar em clima de campanha, alega que decidirá apenas em março de 2022 se vai concorrer à reeleição

26/07/2021 às 10h34
Por: Redação Integrada Fonte: Ingrid Soares/Correio Braziliense
Compartilhe:
Bolsonaro diz que apoiadores não aceitarão eleições sem voto impresso

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira (23/7), que a população não aceitará as eleições de 2022 sem o voto impresso. O mandatário ainda comparou os eleitores a um "exército" e voltou a criticar o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luis Roberto Barroso. Ele afirmou também que o Brasil não pode aceitar que aqui ocorra o mesmo que em outros países, como Cuba.

"O Barroso...sem comentários. Mas tudo bem. O nosso exército, que são vocês né, não vai aceitar acontecer o que ocorreu em outros países porque depois para retornar, pessoal... O que a gente quer é jogar dentro das quatro linhas da Constituição, e queremos eleições limpas. Eleições que não sejam limpas não são eleições. É uma coisa simples de entender isso daí. Até numa eleição de síndico de prédio, eleições da escola tem fraude. Isso não é eleição. Eleição fraudada não é eleição, isso não é democracia", alegou, ao conversar com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada.

Bolsonaro também criticou pesquisas que mostram o ex-presidente Lula na liderança das eleições de 2022 e ironizou que o voto impresso serviria para garantir a vitória do petista. No entanto, reconheceu que se o projeto de voto auditável fosse colocado em votação hoje, "não passaria".

"Fico me perguntando porque não querem voto impresso. Se o Lula teve 49% de intenção de votos, é até bom que garanta a eleição dele, né?, ele não pode tomar uma pinga na esquina... Estava tudo pronto. De repente o Barroso foi para dentro do Congresso, conversou com líderes e eles trocaram as composições dos seus representantes nas comissões e hoje, na comissão, não passa."

O presidente repetiu que Barroso tem interesse nas eleições do próximo ano. "Qual o interesse dele? Ele tinha que ser o primeiro a dizer: presidente, o voto impresso é mais uma segurança", e dar um motivo qualquer para não ter. Não essa desculpa esfarrapada de "não tem dinheiro". O dinheiro quem trata sou eu, não é ele. Não vai faltar dinheiro para comprar a maquininha para imprimir o voto do lado ali", completou.

Candidatura à reeleição

Apesar de diariamente discursar em clima de campanha, Bolsonaro alegou que decidirá se concorrerá à reeleição apenas em março de 2022.

"Eu não posso falar que sou candidato agora, porque é crime eleitoral. E outra, só vou falar em eleição no ano que vem. Março, como último mês de filiações, daí eu decido o futuro aí."

Por fim, justificou que se tivesse morrido por ocasião da facada recebida em 2018, quem estaria no poder seria Fernando Haddad. "Qualquer coisa que acontece, tem um pessoal nosso que dá pancada em mim. Querem dar pancada? Tá bom. Quem é teu candidato para 2022? Não tem? Então cala a boca, pô. Para mim, não é meio de vida disputar Presidência ou ganhar a Presidência. Isso aí é uma missão, né? O pessoal não consegue entender que, se eu estivesse fora, tivesse morrido, o Haddad estaria na Presidência", concluiu.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias