Sábado, 28 de Maio de 2022
Saúde ALERTA

Crianças que dormem de boca aberta podem apresentar riscos de saúde; entenda

A boca aberta durante o sono terá efeitos ainda mais profundos na própria formação do rosto daquele indivíduo.

07/05/2022 às 17h07
Por: Redação Integrada Fonte: Com informações do G1
Compartilhe:
Crédito: Reprodução
Crédito: Reprodução

Estudos publicados nos últimos anos revelam que mais da metade das crianças dormem de boca aberta. De tão frequente, esse hábito nem sempre chama a atenção ou liga o sinal de alerta de pais e tutores.

No entanto, médicos destacam que dormir de boca aberta, que tem a ver com alergias, rinites ou o crescimento de estruturas que obstruem o nariz, pode fazer muito mal à saúde.

Essas crianças correm um risco maior de desenvolver as mais variadas complicações, que vão desde cárie e mau hálito a alterações posturais e dificuldade de aprendizado na escola.

Para piorar, esses efeitos não se limitam à infância: se a respiração pela boca durante a noite não é resolvida logo nos primeiros anos de vida, as repercussões negativas podem se prolongar por toda a vida.

Como estrutura externa do sistema respiratório, o nariz tem uma função muito especial: aquecer, umidificar e filtrar o ar que entra pelas narinas.

Na contramão, quando a respiração acontece pela boca, o oxigênio não passa por esse tratamento especial antes de alcançar os pulmões.

Isso por si só já representa um risco. O ar que passa pela boca chega ao tórax cheio de impurezas, seco e numa temperatura inadequada.

"A respiração bucal aumenta o risco de infecções virais ou bacterianas e resfriados repetitivos", diz o médico Alexandre Ordones, da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF).

A boca aberta durante o sono terá efeitos ainda mais profundos na própria formação do rosto daquele indivíduo.

"Os ossos da face não se desenvolvem adequadamente, o que altera a fisionomia. A criança pode ficar com bochechas caídas, olhos tristonhos, olheiras…", lista a otorrinolaringologista Saramira Bohadana, coordenadora do Programa Aerodigestivo do Sabará Hospital Infantil, em São Paulo.

"A própria arcada dentária também se altera. O osso maxilar [que dá suporte aos dentes superiores] fica muito fechado e projetado para a frente. Já a mandíbula não cresce como o esperado", detalha a especialista.

Para completar, essas mudanças no crânio alteram o restante do corpo. "O pescoço acaba retraído, com o queixo para dentro, o tórax se torna encurvado e a barriga fica proeminente", descreve Bohadana.

E, como se não bastassem todas essas alterações físicas, dormir de boca aberta também provoca consequências bem sérias no cérebro e no comportamento.

Apneia, notas ruins, irritação e xixi na cama

A criança que dorme de boca aberta frequentemente sofre com uma doença chamada apneia do sono.

Ela é caracterizada por interrupções na respiração durante o descanso noturno que, por sua vez, provocam pequenos despertares (muitas vezes, eles nem são percebidos conscientemente).

A questão é que esses microdespertares impedem que a pessoa chegue aos estágios mais profundos do sono, que estão relacionados à consolidação das memórias e do aprendizado.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias